13 de fev de 2008

Caricatura.

A solidão da liberdade reproduz
as palavras que escrevi em sonho:

A Vida ali. Seus olhos. Um cavaleiro.
Sua missão: salvá-la da prisão Liberdade.

Ele é bonito, vem em farda (terno e gravata),
cabelo e barba, a fala doce, os olhos moles,
a pele clara, os olhos negros.

Corpo fechado, lábios abertos,
Para devorar o sonho que vibrou colorido
sobre as árvores da cidade perdida.

7 comentários:

flavia_waki disse...

é engraçado como acontece os acasos de nossas vidas ...A gente conhece tanta gente, mas acredito que sejam poucas as que nos surpeende com rapidez...
Parabéns pelo talento!

Anderson Lucarezi disse...

como vc deve saber, eu gosto de, entre outros gêneros, pagode.
há uma letra de pagode - talvez a mais bonita que conheço, linguagem simples - que diz assim:

"o que é que eu vou fazer com essa tal liberdade se estou na solidão pensando em você?"

o poema me levou imediatamente à música.

eu tiro o chapéu pra quem trata do outro lado da moeda da liberdade. ainda mais com poesia! de qualidade!

saudações,

Luca.

Anônimo disse...

Puxa... essa até eu entendi...

Phillip disse...

"O outro lado da liberdade" pode virar até filme...

Anônimo disse...

Realmente... intrigante!
Estamos livres e não sabemos? Ou estamos presos e não queremos?

Sinayoma disse...

Lindo! :)

Cadê meu assunto inacabado?

I can't undertand!

Kuss

Glauber disse...

Muitas vezes queremos a tal liberdade... mas como sabemos o que é liberdade se não soubermos o que é prisão... O que é melhor: ter o ventre solto ou sofrer com a prisão dele?