27 de jul de 2008

Tinha um texto longo, bem escrito, planejado, organizado, interessante, colorido, pronto para ser publicado aqui.

mas em um mundo berrante nada pode ser tão agressivo quanto o silêncio e a fuga, o preto, o branco.

treze de outubro - Angelica Freitas


escrever um poema sem calor em são paulo

um poema sem ação: sem carros, sem avenida paulista

quando eu morava na augusta, escrevia poemas sobre a augusta

a augusta não me deixava dormir

(escrever um poema em que se durma na augusta

e sobretudo, escrever um poema sobre dormir

sem você.) esta é a primavera fajuta da delicadeza

(não consigo terminar este poema).

Nenhum comentário: