13 de dez de 2007

O meu "Espontâneo"

Nem os mais sublimes olhos fremosos entendem minha loucura? Algumas coisas me fazem pensar diferentemente do que normalmente defendo. Mas como são idéias que defendo não devo simplesmente debatê-las em público, comigo mesmo, não é? Será que isso seria um convencimento de mim mesmo sobre as idéias que tento me impor? se for assim venci mais uma vez de mim mesmo. Bom, deixando isso de lado, vamos ao que importa. - Sabe que "o que importa" me lembra uma música: O que me importa seu carinho agora, Se é muito tarde para amar você, O que me importa se você me adora, Se já não há razão para lhe querer, O que me importa ver você sofrer assim, Se quando eu lhe quis você nem mesmo soube dar... amor... O que me importa ver você chorando, Se tantas vezes eu chorei também, O que me importa sua voz chamando, Se pra você jamais eu fui alguém, O que me importa essa tristeza em seu olhar, Se o meu olhar tem mais tristezas pra chorar que o, seu... O que me importa ver você tão triste Se triste fui e você nem ligou O que me importa o seu carinho agora Se para mim a vida terminou..." - E o que realmente importa? Ahá! Voltemos então desse pequeno 'traços' (já que preferi usar traços... no lugar do par curvadinho). A fala verdadeira não é dita... E, clááro, eu preciso (sempre) complexificar meus diálogos comigo mesmo...
Quem sabe assim um dia, desisto de pensar. Ou desisto de escrever, ou desistem de ler (ideal?)

Tenho ouvido muito a banda Zofka, a Myriam Russo tem uma voz linda, e cantando em francês, claro. Uma frase da música dire adieu, diz: pour jamais plus s'oublier. Eu entendo o que é esse tal de jamais plus oublier. Acho que por isso que gosto tanto do Rubem Fonseca. Mas o que tem a ver ele? É, e por isso gostei tanto do São Bernardo. Olha que bonito. Isso até daria uma análise do massi. Pseudo-contrastiva, emotiva, autobiográfica. O que é bonito, vamos dizer, nesses textos, vamos dizer?

Eu acho que no fundo no fundo a Andressa e o Felipe me entendem. É, talvez o Rapha. Tudo isso porque, tenho certeza, alguém está tentando acreditar que as coisas vão melhorar, ultimamente.
E as aulas de francês vão de mal a pior. Na última, rolou um "êêêêêêpaaa"
do Paulo. Culpa do Passé Composé. É tipo dona de casa dando remédio pro bichinho de estimação. Não entende que é só fazer uns carinhos e distrair o bichinho que o remédio vai? passé composé...

Faz tempos que não escrevo um post assim. Não assim no sentido de 'dessa forma', sendo tomado como base e pressuposto forma como "prosa".

A grande questão desse texto é a necessidade da expressão, mesmo quando na aparente falta de correlação entre forma e conteúdo, se é que contra os pressupostos teóricos já tão pré-fixados eu poderia realizar algum comentário... E eu já tentei tanto comentar contra pressupostos teóricos pré-fixados...

Mas vejam que interessante, e isso é o que é bonito, vamos dizer, nisso. Eu aprendi a simplesmente aceitar, sem entender, e por mais que pareça uma digressão complexa, é tudo muito simples... Mas da apresentação simples também faz parte a explicação de cada termo, ou seja, para simplificar, como os realistas, prolongamos, então após prolongar, como foi explicado, se complexifica, e o conceito inicial é perdido-subvertido-abandonado ou arruma-se uma explicação pra isso. Mas e quando você não quer explicar nem entender? Então, ora bolas, não me amole, o que a gente precisa é um pouquinho de compreensão e tranqüilidade (usando a trema enquanto ainda posso). compreensão no sentido de entendimento entre pessoas, não no stricto sensu etc, mas no sentido de acordo.

Eu acredito na arbitrariedade.
E eu tenho certeza que, se não fosse essa frase que começou com "E eu tenho certeza", ou seja, se o texto terminasse com efeito em "Eu acredito na arbitrariedade", seria grande-facilitador para que todos os comentários sobre esse texto fossem: "Eu acredito tb!" ou "Eu não acredito", ou "Viva saussure" ou coisas assim... E eu queria tanto que fosse lido tudo, sabem. Nem precisa comentar, eu sei que lê. por isso escrevo. porque eu sei que lê.

7 comentários:

Anderson Lucarezi disse...

e viva a bossa, a palhoça, a mata, a mulata, iracema, ipanema, a banda e a carmem miranda.

e que tudo mais vá pro inferno!

Anônimo disse...

Fê... eu já ia budar com vc porque escreveu que só a Andressa e o Rafa te entendem... E eu?
Mas lendo até o final eu percebi que eu não posso nem questionar nada... EU NÃO ENTENDO!!! Até os poemas estavam mais fáceis....

D ... disse...

Óun... que bunitinhu ...

mas eu descordo de uma coisinha: eu não te entendo, Fê. infelizmente, eu num entendo nem eu mesma...

mas eu li tudinho! =)

k disse...

ufa! rs

Anônimo disse...

Li tudo!
Mergulhei em cada palavra, e subi para respirar em cada espaço!
Belo texto, cheio de curvas, e ruas sem fim...
Sobre o conteúdo não preciso comentar, já que ao escrevê-lo e relê-lo com certeza chegou as conclusões que desejava. Apenas saiba que pintou um belo quadro de imagens!

Bjos

Phillip disse...

Puxa, eu entendo vc???
Acho q não...
Aliás, esse post está disconexo e parece post de blogs de patricinhas... Ex: idéééia

Bom, se vc se entende, menos mal...
eu me entendo, eu acho... hauah

Fernando Penteado disse...

Blog de Patricinha.

Isso porque eu pensei que você entenderia...