28 de out de 2007

Olhos a menos trinta.

Mãos nos bolsos são uma posição de alta-auto-defesa. Auto-comiseração. Anda por aí com as mãos no bolso, pra ver. Os seus braços se juntam ao corpo, os ombros se encolhem... daqui a pouquinho vai estar parecendo um lagostim, curvadinho... Os ombros se acostumam a essa posição, e (in)conscientemente a cabeça vai baixando, baixando... Baixa até os olhos tocarem o horizonte inferior. O queixo a menos trinta graus. Nesse ângulo a boca se fecha. A respiração se dificulta. A garganta trava, as mãos se seguram.

Seguram no que não há, se apertam buscando o refúgio do toque, fogem do vento. A posição é ideal para olhares oblíquos auto-inferiorizadores, tristes, depri(midos/mentes). Se amarram, dedo a dedo, num invólucro de pele desabitada, e o vazio da palma curva enlaçada é o vazio dos dedos endurecidos que é o vazio das próprias mágoamarras, desenlaçar de mãos. Se comprimem a si mesmas, se prendem ao seu próprio vazio, se atam no desenlace, se fecham na liberdade, se escondem por estarem nuas.

3 comentários:

Phillip disse...

devemos olhar sempre em frente!!
Olhar para baixo não faz bem, parece que se está resignado e sem perspectivas.

belo post!!

Abraço

Fe

tati disse...

Fer!!

Adorei seu texto, aliás, adoro tudo que você faz hahahaha (que puxa-saco que eu sou!)
Beijos meu querido

D ... disse...

que droga! pq eu sempre tenho de concordar com vc?

um consolo: nenhuma das saias que costumo usar tem bolsos. aí, eu evito as calças. mas se me arrisco a usá-las...